Contra a OMS e o STF, presidente do Senado pede liberação do amianto

O Instituto Paulista participa do V Congresso de Direito Brasileiro Previdenciário do IEPREV
maio 27, 2019
Comissão de Defesa do Consumidor é signatária de carta a Bolsonaro pelo fim da cobrança por bagagem
junho 4, 2019

Ao lado do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), senadores de uma comissão externa visitaram, no sábado (27), a cidade de Minaçu (GO) e defenderam a liberação do amianto no Brasil.

Junto aos trabalhadores da Sama, mineradora que está com as atividades paradas desde 2017, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) proibiu o uso do amianto em todo o território nacional, o grupo de senadores informou que trabalhará junto à Corte para que a decisão sobre o mineral seja revista.

A liminar concedida pelo STF proibindo a produção e uso do amianto teve como base um entendimento da Organização Mundial de Saúde (OMS), que constatou, após anos de estudo, que o mineral, usado principalmente na construição civil, é altamente cancerígeno. Dezenas de outros países do mundo proibem a produção de amianto.

“A visita do Senado em Minaçu é para verificar in loco esta situação. É angustiante ver uma decisão jurídica sobrepor-se à vida das pessoas, que têm o seu sustento com dignidade. A criação da comissão é uma atitude louvável”, disse Davi Alcolumbre ao defender a liberação do mineral. O principal argumento é que a decisão do STF gerou desemprego.

“Decisão equivocada”, afirmou o senador Vanderlan Cardoso (PP-GO) sobre a probição imposta pelo Supremo. “Os trabalhos científicos estão aí mostrando que não exite nenhum problema que causa câncer como foi justificado”, completou Chico Rodrigues (DEM-RR).

Além deles, estiveram presentes na visita à mineradora o senador Luiz do Carmo (MDB-GO) e o governador de Goiás, Ronaldo Caiado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *